domingo, 3 de fevereiro de 2008

artigo - VISUALIDADE... - Omar Khouri

Caríssimos,
Motivado pelo comentário da Frô,
onde ela indagava:
"... qual a diferença de uma tela gráfica, enfim quais os limites entre as artes plásticas (mesmo que seja eletrônica) e a literatura?"
sei que o tema é vasto, onde há mais divergências do que convergências, basta entrar no assunto, para experimentar; sei que a pergunta é difícil de ser respondida; sei que a questão passa - paradoxalmente - por um processo de "ruptura" e "fusão", o que complica mais ainda estabelecer fronteiras e rótulos.
A minha inserção na POESIA VISUAL (digo na produção de POEMAS VISUAIS) é recente. Mas, logo que comecei a "pensar" na VISUALIDADE como "ferramenta", a minha primeira conclusão foi de que isto já aparecia nos meus poemas, há muito tempo, às vezes de forma subliminar e também de forma explícita, especialmente nos poemas curtos (que o Tchello chama de "poemínimos"), que eu particularmente chamo de "despalavras".
O assunto é interessantíssimo. E inesgotável. Quando se insere a manifestação artística com todas as possibilidades que a tecnologia nos oferece (hipertexto, hipermídia...e eu até criei o termo "hipertudonada" exatamente pela polêmica que reveste esta "novidade"), ALcho que a questão passa pela opção e não pela caracterização do que reALmente é.
Tenho lido muito sobre isto. Tenho reunido alguns artigos, mesmo que eu não concorde com eles (em parte). Por ora, coloco aqui um dos artigos que gostei muito, do Omar Khouri, para a nossa reflexão.
Grande AL-Braço
AL-Chaer
VISUALIDADE
CARACTERÍSTICA PREDOMINANTE NA POESIA NA ERA PÓS-VERSO
APONTAMENTOS

Omar Khouri*


Há quem pense que a visualidade em poesia, tal como a encontramos na atualidade (utilizando recursos poucos, ou alta tecnologia) seja coisa passageira, simples modismo; mas, em verdade, essa visualidade veio para ficar. (Augusto de Campos)


1. Tornou-se comum, de um tempo para cá, a utilização do termo poesia visual, sempre que nos referimos a um tipo de fatura que utiliza, predominantemente, códigos que apelam à visão. Termo um tanto limitador, diria, sem dúvida alguma. Esta denominação, bem como o complexo universo que ela abarca (alcançando - além da visão - outros sentidos, como a audição e o tato) não é fenômeno brasileiro e sim também brasileiro: a poesia visual, o procedimento, pode ser detectado em diversos países, tais como Itália, Alemanha, Rússia, Portugal, EUA e outros, mesmo quando não adota o nome. Por outro lado, é bom deixar claro que a incorporação de visualidade em poesia não é invenção dos Modernismos, mas foi aí que a atitude passou a ser plenamente consciente, perseguida e, mesmo, exacerbada.

2. Tendo lugar já numa época de pós-modernidade (ou de pós-utopia, como quis Haroldo de Campos) a poesia visual e, especificamente a brasileira, apresenta-se como um desdobramento daquela que foi a grande contribuição brasileira ao Modernismo mundial: a Poesia Concreta - anos '50 e '60. Porém, distingue-se dela em alguns aspectos, considerando aqueles seus momentos de eclosão e desenvolvimento imediato. A chamada poesia visual brasileira começa a se configurar a partir da primeira metade dos anos '70, dentro da Era Pós-Verso (instaurada pelos concretistas: ..."dando por encerrado o ciclo histórico do verso"... Plano-Piloto... 1958). Era Pós-Verso, apesar do verso e isto é válido não só para o Brasil, mas para outras tradições, onde a repercussão de certas vanguardas poéticas não chegou a abalar de modo fatal a arraigada atividade do versejar. Ou seja: de qualquer maneira, não se pode querer versejar, em pleno início de terceiro milênio, como se fazia antes do aparecimento do verso livre, da incorporação programática da visualidade ao poema etc, sob o pretexto de um vale-tudo, de um revival, o que caberia numa complacente pós-modernidade. Vanguardismos à parte, as coisas sempre estiveram e estarão abertas à experimentação e, só fica mesmo a obra que, de alguma maneira, acrescenta algo ao já feito (e sempre é tão pouco, como disseram Pound e Pessoa).

3. Desvestidos das denominações de concretismo, poema-processo etc, começaram a publicar - principalmente em São Paulo (capital e interior, mas com ocorrências menos intensas em outras áreas do Brasil) uma poesia mais 'formalista', em revistas e edições autônomas - poetas que seriam os fazedores dessa que se convencionou chamar POESIA VISUAL: Villari Herrmann, Erthos Albino de Souza, Lenora de Barros, Walter Silveira, Paulo Miranda, Tadeu Jungle, Arnaldo Antunes, Júlio Mendonça, Aldo Fortes, além de outros. Esses poetas viriam a cumprir um destino especial nessa Era Pós-Verso: o de manter viva a chama da experimentação.

4. Para aqueles que têm definido poesia como "a arte da palavra", pode parecer uma inconseqüência falar-se em "poesia visual". Quando muito, admitem a visualidade como um aspecto lateral da poesia, algo de somenos importância. Há, porém, os que colocam/colocaram os aspectos visuais, juntamente com as palavras, como algo de estrutural em poesia, principalmente - mas até mesmo antes - a partir de Mallarmé e o Un coup de dés..., chegando ao máximo, dentro dos modernismos/vanguardismos com a Poesia Concreta e desdobramentos. Porém, quando se trata de fatura onde o verbal é abolido (ou supostamente abolido) as coisas se complicam e há quem não admita a sua existência dentro do mundo dito da POESIA (quem seria o dono de quê?).

5. (Até poderia afirmar que a visualidade, aspecto lateral durante cerca de dois milênios e meio de poesia escrita, tempo em que a corrente principal foi a da poesia entendida como a arte da palavra, por excelência, passou, durante o século XX, era dos Modernismos, a ser a corrente principal, a mais inventiva, a mais comprometida com a experimentação.)

6. A Poesia Visual - uma poesia na era pós-verso - quase nunca abdica das palavras, mas, acredito, pode haver poesia sem palavras e afirmo: assim como a Poesia Concreta mostrou, ao contrário do que muitos pensavam e ainda pensam, que é possível fazer-se poesia sem verso, é possível fazer-se poesia sem palavras (muitos tentaram; poucos tiveram sucesso). Porém, a fatura estará aspirando à condição da palavra, ou esta comprecerá, nem que seja no título, que passa a integrar de maneira estrutural a peça (como ensinou Duchamp).

7. Se fôssemos sondar as origens remotas da poesia visual, teríamos de regredir milênios, o que escapa aos propósitos específicos destas anotações. A rigor, a visualidade em poesia começa propriamente com a escrita (sem considerar o fenômeno fanopaico, uma outra visualidade) e, já na Antigüidade, houve quem perseguisse a visualidade gráfica, tradição que, com maior ou menor insistência, estendeu-se pelo Ocidente até o século XX e o momento atual. Porém, considerando nacional e/ou internacionalmente, a grande fonte da poesia visual brasileira, desta poesia brasileira da era pós-verso, foi o trabalho desenvolvido pelo Concretismo, movimento vanguardista que contou fundamentalmente com brasileiros em sua gênese. Ou seja, a poesia visual brasileira entra como um desdobramento, em linha direta, da Poesia Concreta, não sendo, no entanto, poesia concreta. Também recebeu influências outras, como do poema-processo - anti-verborrágico radical, mas com pouca qualidade gráfica em seus primeiros momentos - da POP ART, dos ready-mades duchampianos, entre outras. Prossegue com uma tradição de experimentação e rigor, sem continuísmo. Rigor, diga-se, de uma seriedade ultrapassando, às vezes, o limite do suportável!

8. Nos anos '70, no Brasil, ao lado de uma poesia tendente ao coloquial, descuidada de formalismos - a chamada Poesia Marginal - desenvolveu-se uma poesia de linha mais construtiva, mais formalista, cujos poetas veicularam suas produções, principalmente em revistas, como CÓDIGO, ARTÉRIA, POESIA EM GREVE, QORPO ESTRANHO, MUDA, ZERO À ESQUERDA, KATALOKI, ATLAS e outras e edições autônomas (poemas publicados separadamente). Só que, dentro dessa linha mais construtivo-formalista, já se observavam duas tendências: uma mais verbalista e que, depois, passaria a revalorizar o verso como unidade básica do poema; outra mais intersemiótica que, sem deixar de lado o verbal, valorizava a visualidade como elemento estrutural do poema e pretendia uma verdadeira fusão de códigos (já nem era mais a abolição do verbal ou sua quase supressão o que interessava, mas fusões de códigos). Ao mesmo tempo, essa vertente que valorizava os vários códigos da visualidade, passava a valorizar as novas tecnologias, pensando poemas para serem veiculados nos vários meios: tanto melhor é, o poema que permite, sem perda da informação propriamente poética, seu trânsito pelos vários meios (aí, encontramos operando, desde poetas veteranos, como Augusto de Campos, passando por Walter Silveira, Arnaldo Antunes, Paulo Miranda, Lenora de Barros, Sebastião Nunes, Avelino de Araújo, até os mais novos, como João Bandeira, André Vallias, Lúcio Agra, Élson Fróes, entre outros - da página ao cartaz, do vídeo à REDE, adentrando a nova década, século, milênio). Daí temos faturas intersemióticas multi/intermeios. Em verdade, como já foi dito, encontraremos, mais uma continuidade, num processo de radicalização, que uma ruptura, da Poesia Visual com relação à Poesia Concreta. Humor. O humor sempre presente.

9. A denominação Poesia Visual, em última instância, é incompleta, insuficiente, quando não, errônea, mas já se vem consagrando. O melhor seria chamar essa, de Poesia Intersemiótica Multi/Intermídia da Era Pós-Verso. (Nos idos dos anos 70 usou-se o termo feliz poesia interse-miótica para designar um certo tipo de poesia que transitava entre códigos, mas que tinha nos códigos da visualidade o seu forte. Daí a utilizar a denominação POESIA VISUAL, não foi muito difícil e o termo pegou e se consagrou. Porém, muito mais adequado é o termo Poesia Intersemiótica, porque ela o é de fato. Ela não prescinde do verbal, o qual se encontra explícito e/ou camuflado, fundido com os códigos da visualidade). Mesmo delimitando o terreno onde seus poetas operaram/operam, estes não chegaram a formar um grupo, como se entendia dentro do Modernismo histórico. São poetas com pontos em comum; pertencem a uma mesma estirpe; sem programas expressos através de manifestos.

10. Colocando a visualidade como ponto central dessa poesia, que não despreza outros aspectos, esses poetas dão uma resposta adequada às exigências da época de hoje, época esta em que a maior parte das informações adquiridas o são através do sentido da visão. Essa poesia é também rara, o que a tem tornado uma poesia para poucos: leitores muito especiais.


BIBLIOGRAFIA.

CAMPOS, Haroldo de - "Poesia e Modernidade: o Poema Pós-Utópico". In: FOLHETIM 404, suplemento do jornal FOLHA DE SÃO PAULO, de 14-10-1984.

JUNGLE, Ted (Tadeu). Freqüência das aranha: pega na minha. São Paulo, Edições Bacana, 1981.

KHOURI, Omar. Poesia Visual Brasileira: uma Poesia na Era Pós-Verso. Tese de Doutorado apresentada junto ao Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicacão e Semiótica da PUC-SP. São Paulo, 1996. (Trab. ainda inédito).

VILLARI HERRMANN - 4 Poemas. São Paulo, S.T.R.I.P., 1971.

AGRÁFICA. São Paulo, Entretempo, 1987.

ARTÉRIA V. São Paulo, Nomuque Edições, 1991.

ATLAS. São Paulo, Vários Editores, 1988.

KATALOKI (ALMANAK 81). São Paulo, Ed. A. Antunes e outros, 1981.

PORANDUBAS. São Paulo, PUCSP, 1977.

ZERO À ESQUERDA. São Paulo, Nomuque Edições, 1981.

*Omar Khouri
Doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP
Poeta, artista gráfico e professor da FACOM-FAAP e do IA-UNESP

3 comentários:

Frô disse...

Al, obrigada por postar, destaco os seguintes trechos e abaixo de cada um deles meus comentários:

"6. A Poesia Visual - uma poesia na era pós-verso - quase nunca abdica das palavras, mas, acredito, pode haver poesia sem palavras e afirmo: assim como a Poesia Concreta mostrou, ao contrário do que muitos pensavam e ainda pensam, que é possível fazer-se poesia sem verso, é possível fazer-se poesia sem palavras (muitos tentaram; poucos tiveram sucesso). Porém, a fatura estará aspirando à condição da palavra, ou esta comprecerá, nem que seja no título, que passa a integrar de maneira estrutural a peça (como ensinou Duchamp)."
**********
Eu:
(não vejo nenhum problema em poesia sem versos, poemas na verdade, já que poesia pode estar na prosa, agora poesia/poema sem palavras, acho dificílimo, dado que pra mim a poesia está na imagem metafórica que o jogo de palavras pode criar)
**********
9. A denominação Poesia Visual, em última instância, é incompleta, insuficiente, quando não, errônea, mas já se vem consagrando. O melhor seria chamar essa, de Poesia Intersemiótica Multi/Intermídia da Era Pós-Verso. (Nos idos dos anos 70 usou-se o termo feliz poesia interse-miótica para designar um certo tipo de poesia que transitava entre códigos, mas que tinha nos códigos da visualidade o seu forte."
***********
Eu:
Concordo com a inadequação do termo para denominar o novo gênero pós-verso/pós-palavra, mas a minha dúvida é porque essa gana de chamar de poesia algo que eu posso sentir, fruir, emocionar mesmo que não se chame assim? Por exemplo, teu labirinto pra mim é uma viagem sinistésica: tem beleza, cores, forma).

***************
"10. Colocando a visualidade como ponto central dessa poesia, que não despreza outros aspectos, esses poetas dão uma resposta adequada às exigências da época de hoje, época esta em que a maior parte das informações adquiridas o são através do sentido da visão. Essa poesia é também rara, o que a tem tornado uma poesia para poucos: leitores muito especiais."
***********
Eu:
Acho que sou muito conservadora e estou me pegando em uma divisão formal entre duas expressões artísticas, de todo modo, não há a meu ver escala de valores entre as artes (plásticas ou literárias) mas eu acho que o ponto central na poesia não é a forma (no caso aqui a visualidade), mas as imagens metafóricas das palavras :)...

beijos
Frô

Deise Carelli disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Deise Carelli disse...

Essa poesia é também rara, o que a tem tornado uma poesia para poucos: leitores muito especiais."(Khouri)"

Leitores especiais porque não há uma alfabetização eficiente que considere os elementos da gramática visual: linha,textura, cor, forma. Isso deve mudar é claro.

É interessante refletir: podemos ouvir a leitura de um poema, ter uma terceira pessoa que interpreta pra você, ele dá o ritmo a cadência obedecendo elementos formais de pontuação(, . ;: !!! ???)
Mas o poema visual quer o encontro! Você e ele. Ver... para para sentir o ritmo, o movimento etc.