domingo, 18 de maio de 2008

anonimato
© maurício rosa

deixo-me aqui tateando
os segredos que não vi
sou mero pó e o silêncio
é o nó que me desata...
antigamente vivia
em busca de horizontes
que raramente enxergava;
hoje, no escuro, toco
arrebóis que me ofuscavam...
rumores gris engoli
porque sem temores
(con)vivem
o poeta e o devir...

6 comentários:

Anônimo disse...

Estou contente, muito contente, contentíssimo, com o reaparecimento do querido Maurício.
Abração.
Fred Matos

Mauricio Rosa disse...

quanto saudade, Fred. Obrigado pela acolhida... bem sabes que te quero muto bem.
estive no teu recanto... deixei-te um e-mail que retornou-me por não ter encontrado o destinatário informado... confere, por favor.

um abraço
mauricio

poetas_lusófonos disse...

Querido,
Meu e-mail atual é:

cfmmatos@terra.com.br

soledade disse...

Maurício, ter notícias suas e poder voltar a ler a sua poesia é muito bom!
Saudades! Um abraço apertado!

Mauricio Rosa disse...

sol!!!

aos poucos o mar vai se abrindo.
mandei-te um poema por e-mail inspirado num teu que hoje li.

beijos
mauricio

al-chaer disse...

é isso aí, "Maurição" !!!

...enquanto a "Sol" vai lendo seu poema, coloque-o ALqui pra gente ler também...

AL-Braços
AL-Chaer