quarta-feira, 11 de junho de 2008

fragrância
© mauricio rosa

o teu silencio vestia
completamente a angústia
apalpava-me os anseios
incitava devaneios
sujava o céu dos meus dias
e quando a lua sem brilho
anciã jazia oculta
por detrás do meu cansaço
balbuciava um segredo
cofiava o vão dos medos
e se deixava antever
nos desvãos da pradaria...

não que quisesse teu corpo
porque teu cheiro bastava!

2 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom, Maurício.
Abração.
Fred

maria fro disse...

Maurício se eu tivesse de escolher um palavra pra definir o poeta Maurício eu escolheria desvão/s.

beijos