terça-feira, 11 de agosto de 2009

janela de chuva

se você nem faz questão de viver
e dá a vida já por vencida
que mais posso te dizer eu?
eu que lamento tanto
tempos e vidas
que passaram por mim
você será apenas
uma vida mais
que irei lamentar

os dias passam
pela minha velhice
atravessam a solidão
eu olho através da vidraça
eu vejo as pessoas sem rosto
murmurando entre dentes
a canção do silêncio
apenas um rosto a mais
que irei lamentar

sentado no meu carro
a chuva bate triste no pára-brisa
eu escuto uma canção antiga
e espero o sinal abrir
eu olho os carros do lado
com aqueles vidros sem rosto
acelero e sinto o motor
empurrar minha vida pra frente

se hoje estou mais triste
que ontem isso é normal
cada dia que passa
fico mais certo
que meus sonhos se foram
em que as coisas pequenas
deixadas de lado
foram as únicas verdades
que resistiram ao tempo
e que ficaram

e hoje eu sei que tudo passa
e que não ficou nada daquilo
que um dia chamei de ser feliz
os dias ficam cada vez mais difíceis
as horas gotejam sangue
e lá fora só restou a vontade
de ir e encontrar contigo
e hoje não te vejo na distância
eu me perdi no emaranhado
do resto de minha vida.



por Claudio Fagundes (CAlex)

Um comentário:

Claudio Fagundes disse...

Este poema eu dedico ao Clint Eastwood, pelo seu trabalho em Gran Torino.